BRAZIL DHESCA PLATFORM~ request for action on the threat to indigenous rights in Brazil

 

BRAZIL DHESCA PLATFORM

 

Rue Des. Ermelino, 15, assy. 72-Centro CEP: 80410-230-Curitiba/PR-Brazil

+ 55 (41) 3232-4660

www.dhescbrasil.org.br-secretaria@dhescbrasil.org.br

Curitiba and Brasilia, June 5, 2013

Ref: request for action on the threat to indigenous rights in Brazil, with emphasis on the case of the murder of ethnic indigenous Terena, Oziel Gabriel

The Brazilian Platform of human rights economic, social, cultural and environmental (Brazil Dhesca Platform), the national human rights network composed of 34 organizations and social movements, has, through its Rapporteur for the right to land, to the territory and to food, ask the responsible authorities taking action for indigenous rights violation cases, in view of the recent murder of Prince Gabriel, terenas, during eviction process in Mato Grosso do Sul, in view of the imminence of that territorial disputes from spreading.

After the assaults of “ruralist” on the national scene with the changes of the forest code, the conservative backlash advances on the areas occupied by indigenous peoples and traditional communities, especially Quilombola communities. In particular, the National Agriculture Confederation (CNA) and the rural bench have made pressure on the Government for changes in procedures for the demarcation of land, especially of indigenous lands (TI ‘s).

In this sense, we had the suspension of it’s demarcations in the South of Brazil, with the consequent proposed revision of demarcation procedures, claiming inability of FUNAI. And yet, the onslaught of Brasil National Congress countertop for restriction of indigenous rights as the proposal in the House of representatives of the Parliamentary Committee of inquiry (CPI) to establish the demarcations of FUNAI and the INCRA (with regard to quilombolas), as well as the proposed law and amendment to the Constitution as the PEC 215, in addition to the search for the term of the Decree 303.

In its recent manifestations, Minister Chief of staff, Gleisi Hoffmann, have open space for the representations of agribusiness, and mistakenly, emphasized a supposed inability of FUNAI in demarcating the land, advocating the creation of a working group would be composed of the Ministries of agrarian development (MDA), agriculture, livestock and food supply (MAPA), cities and the Brazilian Agricultural Research Corporation (Embrapa). In addition to unconstitutional, this proposal is pervaded by misconceptions, Embrapa has no technical competence to act on the evaluation of indigenous rights. As a public company has the mission and not the technical competence as, for example, the presence of anthropologists in his paintings, to run the order to ensure constitutional rights of indigenous peoples.

This proposal comes down, in fact, in a constitutional rights already conquered by the indigenous peoples, reinforcing the view that the indigenous issue is an obstacle to the development of the Brazilian field, and pervaded by a culture of productivity indices of agricultural and mineral commodities. However, the demarcation of indigenous lands is in the process of recognition of the historical debt that the country has to with these people, that is, under the plan of construction of social justice, in order to ensure his cultural heritage.

The recent case of the murder of Oziel Gabriel, Terena leadership, during the disastrous process of eviction of Buriti Farm, located within the Indian territory, Buriti and attempting another Indian murdered yesterday, 04 June day, demonstrates the intensity conflict that involves the struggle for land rights in the country. You had your identification report adopted in 2001 in the FUNAI, the area was enclosed in 2010, but until today there was no approval by the Presidency. This resulted in several conflicts in court, having issued an injunction on May 31, 2013 for the output of the indigenous, fumbling by the police resulted in clashes and the death of Oziel.

The Ministry of Justice, who is subjected to Funai, is who has the legitimacy to propose a reformulation of Funai in the sense of its institutional strengthening, and the Minister, Jose Eduardo Cardozo, give the political and institutional support for the local authority to act effectively in the process of demarcation. The indigenous movement has undergone an intense process of delegitimization by the media and many indigenous organizations have been criminalized, including declarations of public authorities. And the Indians have insisting on speaking with the President, however the same in these two years have not received their leaders for a dialogue any time, despite being in many events associated with agribusiness. Is beneficial in the democratic process that the Government open a channel of dialogue with these people, who want to expose their historic fight.

The situation of aggression and intimidation to the indigenous peoples represent an affront to the basic principles of a democratic State of rights, the Constitution and the international treaties of which Brazil is a signatory, as the Convention 169 of the International Labour Organisation. The author and plural perspective of the State cannot be abandoned in the face of violence and pressure from business groups that historically people submit to violence and exclusion, as well as Act in default of any legal system.

Given that the Rapporteur makes the following recommendations:

1) that is guaranteed constitutionally guaranteed indigenous rights, in particular the agility in the demarcation of the territories;

2) That the Government, particularly the President of the Republic, listen to indigenous communities, especially with regard to historical claims in the State of Mato Grosso do Sul;

3) That the Ministry of Justice take their role as responsible for FUNAI, devise and implement measures for the reformulation of the municipality, in the sense that it becomes more effective in ensuring the rights of indigenous peoples;

4) that is suspended the injunction of repossession of Buriti Farm, with direct monitoring of the Ministry of Justice; as well as be determined immediately the murder of leadership Oriel Gabriel and attempted murder of  Josiel Gabriel in the same ethnicity, occurred yesterday, leading to Justice of those responsible.

We are at your disposal for any clarifications.

SÉRGIO SAUER

National Rapporteur for the human right to Land, Territory and power supply

Brazil Dhesca Platform

Phone: (61) 9982 6303-sauer.sergio@gmail.com

TCHENNA FERNANDES MASO

Advisor to the National Report for the human right to Land, territory and the

Power Supply

Brazil Dhesca Platform

Phone: (41) 9680-2484-terraterritorioalimenta@dhescabrasil.org.br

 

 

 

PLATAFORMA DHESCA BRASIL Rua Des. Ermelino de Leão, 15, conj. 72 – Centro CEP: 80410-230 – Curitiba/PR – Brasil + 55(41) 3232-4660 http://www.dhescbrasil.org.brsecretaria@dhescbrasil.org.br

Curitiba e Brasília, 05 de Junho de 2013

Ref:

Pedido de providências sobre a ameaça aos direitos indígenas no Brasil, com destaque ao caso do assassinato do indígena da etnia Terena, Oziel Gabriel

A Plataforma Brasileira de Direitos Humanos Econômicos, Sociais, Culturais e Ambientais (Plataforma Dhesca Brasil), rede nacional de direitos humanos composta por 34 organizações e movimentos sociais, vem, por meio de sua Relatoria do Direito à Terra, ao Território e à Alimentação, 

solicitar às autoridades responsáveis a tomada de providências para os casos de violação aos direitos indígenas, tendo em vista o recente assassinato de Oziel Gabriel, dos terenas, durante processo de despejo no Mato Grosso do Sul, perante a iminência de que os conflitos territoriais se espalhem.

Após as investidas dos ruralistas no cenário nacional com as mudanças do Código Florestal, o retrocesso conservador avança sobre as áreas ocupadas pelos povos indígenas e comunidades tradicionais, especialmente comunidades quilombolas. Particularmente, a Confederação Nacional da Agricultura (CNA) e a bancada ruralista têm feito pressões ao governo para as mudanças nos procedimentos de demarcação das terras, sobretudo das Terras Indígenas (TI’s).

Neste sentido, tivemos a suspensão das demarcações de TI’s no Sul do Brasil, com a conseqüente proposta de revisão dos processos demarcatórios, alegando incapacidade da FUNAI. E ainda, a investida da bancada ruralista no Congresso Nacional para restrição dos direitos indígenas como a proposta na Câmara dos Deputados de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar as demarcações da FUNAI e do INCRA (no que tange aos quilombolas), bem como as propostas de lei e de emenda a constituição como a PEC 215, além da busca pela vigência da Portaria 303.

Em suas manifestações recentes, a ministra chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, tem aberto espaço para as representações do agronegócio, e equivocadamente, enfatizado uma suposta incapacidade da FUNAI em demarcar as terras, defendendo a criação de um Grupo de Trabalho que seria composto pelos Ministérios do Desenvolvimento Agrário (MDA), Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Cidades e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Além de inconstitucional, essa proposta é permeada por equívocos, pois a Embrapa não possui qualquer competência técnica para atuar na avaliação dos direitos indígenas. Como uma empresa pública não tem a missão e nem a competência técnica como, por exemplo, a presença de antropólogos em seus quadros, para executar a ordem constitucional de garantir direitos dos povos indígenas.

Esta proposta se resume, na verdade, em um rebaixamento dos direitos constitucionais já conquistados pelos indígenas, reforçando a visão de que a questão indígena é um entrave ao modelo de desenvolvimento do campo brasileiro, e permeada por índices de produtividade de uma cultura de commodities agrícolas e minerais. Todavia, a demarcação de terras indígenas se dá no processo de reconhecimento da dívida histórica que o país tem para com estes povos, ou seja, sob o plano de construção da justiça social, tendo em vista assegurar seu patrimônio cultural.

O recente caso do assassinato da liderança Terena, Oziel Gabriel, durante processo desastroso de desocupação da Fazenda Buriti, situada dentro do Território Indígena Buriti, e a tentativa de assassinado de outro indígena ontem, dia 04 de junho, demonstra a intensidade conflitiva que envolve a luta por direitos territoriais no país. A TI teve seu relatório de identificação aprovado em 2001 na FUNAI, a área foi delimitada em 2010, todavia até hoje não houve a homologação por parte da Presidência. Disso resultaram diversos conflitos na Justiça, tendo expedida uma liminar no dia 31 de maio de 2013 para a saída dos indígenas, o cumprimento desastrado por parte da Polícia resultou em confrontos e na morte de Oziel.

O Ministério da Justiça, a quem está submetida a Funai, é quem possui legitimidade para propor uma reformulação da Funai no sentido do seu fortalecimento institucional, devendo o Ministro, José Eduardo Cardozo, dar o respaldo político e institucional para que a autarquia atue de maneira efetiva nos processos de demarcação.

O movimento indígena tem sofrido um intenso processo de deslegitimação pela mídia e muitas organizações indigenistas têm sido criminalizadas, inclusive por declarações de autoridades públicas. E os indígenas têm insistindo em falar com a Presidenta, todavia a mesma nestes dois anos não recebeu suas lideranças para um diálogo nenhuma vez, em que pese estar sempre em muitos eventos associados ao agronegócio. É salutar no processo democrático que o governo abra um canal de interlocução com estes povos, os quais querem expor sua luta histórica.

A situação de agressões e intimidações aos povos indígenas representam uma afronta aos princípios basilares de um Estado Democrático de Direitos, à Constituição Federal e aos Tratados Internacionais dos quais o Brasil é signatário, como a Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho. A perspectiva garantista e plural do Estado não pode ser abandonada diante da violência e pressão de grupos econômicos que historicamente submetem as populações à violência e à exclusão, além de agirem à revelia de qualquer ordenamento jurídico.

Diante disso à Relatoria faz as seguintes recomendações:

1) Que seja garantido os direitos indígenas constitucionalmente assegurados, sobretudo a agilidade na demarcação dos territórios;

2) Que o governo, sobretudo a Presidência da República, ouça as comunidades indígenas, especialmente em relação às reivindicações históricas no Estado do Mato Grosso do Sul;

3) Que o Ministério da Justiça assuma seu papel de responsável pela FUNAI, conceba e implemente medidas para a reformulação da autarquia, no sentido de que a mesma se torne mais efetiva na garantia dos direitos dos povos indígenas;

4) Que seja suspensa a liminar de reintegração de posse da Fazenda Buriti, com acompanhamento direto do Ministério da Justiça; bem como seja apurado imediatamente o assassinato da liderança Oriel Gabriel e a tentativa de assassinatos de Josiel Gabriel da mesma etnia, ocorrido ontem, levando à Justiça os responsáveis.

Colocamo-nos à disposição para quaisquer esclarecimentos.

SÉRGIO SAUER

Relator Nacional para o Direito Humano à Terra, ao Território e à Alimentação

Plataforma Dhesca Brasil

Fone: (61) 9982 6303 – sauer.sergio@gmail.com

TCHENNA FERNANDES MASO

Assessora da Relatoria Nacional para o Direito Humano à Terra, ao Território e à Alimentação

Plataforma Dhesca Brasil

Fone: (41) 9680-2484 –terraterritorioalimenta@dhescabrasil.org.br

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: