Letter written by Haru Kuntanawa and Ysani Kalapalo

Letter to all and the voice of the Amazon, United by the lives of our people and the planet Earth

To Religious leaders and heads of State
Ladies and gentlemen the authorities of those countries, we write this letter to ask for your support and understanding by real events that are occurring with our parents, but before any interpretation that we want to look like humans children of God and our mother earth, so we are religious, but also our religions are not written on paper, but in the forest, Earth, wind, Sun, moon, stars, rivers and seas, elements that represent the strength and power of God the Creator who is played by several names as each language.
Our Government is formed by nature and governed by force of the stations Astral cycles, we respect all Governments in their way of acting with their Nations, as well as respect all cultures and religions, and for this reason we would also like to respect our way of life. The Amazon rainforest itself is self-contained, with the highest power of sustainability of the planet, here the seeds sprout and grow in freedom becoming homes and food for ourselves and the animals that live here.
We therefore recall the years of 1500 when the first Portuguese colonists arrived in Brazil and Europeans came to South America and Latin America and found already living thousands of years in these territories in the Amazon, and in other biomes.
Know the responsibilities of the Spanish and Portuguese imperial crown which created a law specifies to give the right to destroy us and this action also had the approval of the Catholic Church. At that time, of colonization, was to speak in the name of Christ and of God. That many people died, the century that it is forgivable, because we understood the language of you, not we talked Spanish and neither the Portuguese, but today not forgive more repetition of these atrocious acts and violent that decimate our people. We want to know why this is still happening and what is the reason that you have to give us …
Therefore we ask all world leaders and rulers, to the Pope, leader of the Catholic Church to help us solve this problem, which is happening in Brazil. We suffer mistreatment. The Brazilian Government ignores our presence and the rights of indigenous peoples. Do not exist. We are reminded just on April 19, when they celebrate perhaps the destruction of our lives. We are reminded too, when they want to promote their own particular interests, asking us to dance in festive events. After that we are forgotten, and the Government is treating us as a problem, as statistics, obstacles to the socio-economic development.
According to the report of the indigenous missionary Council (Cimi) on violence affecting indigenous peoples, only between 2003 and 2011 503 Indians were murdered, of which 273 are the Guarani Kaiowá people.
And on 5/30/2013, a relative Oziel Terena, died due to disputes and protection of land in Mato Grosso do sul; on 6/4/2013 yet another Terena was shot for the same reason and remains hospitalized. It is worth noting the death of a Warrior: Munduruku Jimmy who was killed by police in a criminal action, while defending their land.
And the indigenous territorial rights that exist in the Brazilian Constitution, are not being respected, more and more farmers and usurpers want to take possession of our lands and the rulers take no immediate offers in this regard. In most cases the decisions are geared towards promoting the “ruralists”, rarely any governmental decision favors the Indians. It is worth noting the intense performance of Brazilian Senator Katia Abreu, faithful defender of the interests of the “ruralists” who comes to Earth as invaders.
And in Pará, conflicts between indigenous people and police are intensifying because of the Belo Monte hydroelectric power plant, are sending troops to prevent local occupation by Indians and supporters; and is already more than proved that the plant would adversely affect riverine populations, indigenous people and the environment.
A situation that is also sensitive is the northern region with the Rio Madeira Girau Dam that will flood a huge area of forest; precisely where it was proven the existence of non-contacted indigenous groups by Socialist and capitalist civilization.
Another major problem that aim is the borders of the State of Acre, in Brazil, which extends to the Peru and Bolivia With timber projects, exploitation of oil and natural gas that is about to be auctioned off and the railroad that will connect the Peru to Brazil (Cruzeiro do Sul in Acre to Pucallpa in Peru) bleeding our forest, the indigenous communities and the workers who live there among groups of Indians also not contacted.
We help other countries because here in Brazil, we have no attention of the Brazilian Government, we are considered foreigners in our own country. And are approving laws that condemn and invalidate our rights. We are already a few, take life precariously and still want us to take the right to life and the Earth …
Also, are we being harmed with reforms to the 2014 World Cup, they invaded and forced us to leave our village nipped in Maracana, where they built the first Indian Museum of Latin America, that has existed for more than 70 years. A place that holds the memory of our people, and has cultural value very sacred. We took there to transform the Museum space in parking for 2014 World Cup and no authority wants to return to us!
Lords and ladies, foreign authorities, your support is our only hope of finding ways to resolve this situation peacefully, we don’t want to just exist in books, we want to live in harmony with the present day, without territorial chases, to live in peace is all we want, let us live in our forests with our free rivers without dams to continue taking our livelihoods, let our forests standing, they are the numbers of our identities, let us also have the opportunity to see our children grow. The flora and the fauna is our only way of living, we do not want to buy bottled water to drink, because we do not create value, coins we want to drink water from clean sources and pure. This is how we learned from the education that our ancestors have given us thousands of years ago.
We want to say that our values and ancestral knowledge society does not know and the values of the forest that you call kills are critical to the balance of humanity. The forest is the life!
Finally we ask that an international treaty between the heads of State, Presidents, Kings and Queens, with the Pope we Indigenous leaders and indicated by our Nations so that there is peace in this land and the protection of our people. Don’t develop weapons to take life, our weapons are only used to make a living from hunting and fishing to feed our families, we know that we can’t defend our rights with bow and arrows and Yes with the compliance with the laws and international agreements in which Brazil is a signatory.
We have a lot to contribute to improve the life of mankind and of all the planet’s biological diversity, conservation and protection of forests. Governments have to understand that we are in the lung of the world. We ask that you support our cause so that the forests are protected.
We have a lot of concern with the direction mankind is taking. We can no longer stay in silence. We have to do something so we can all live in peace. This world is one. We are the same people. And the Creator says this … brother attacking another brother; This cannot continue.
Call for peace on Earth and we want to be respected the way we are; continue living the simplest way we learn and so ensure the living forest, the rivers, the land fertile and protected by human and environmental rights.
We closed this letter asking that all leaders to sign this letter of support to indigenous people supporting us and summon an audience with Brazilian President Dilma Roussef and other agencies that are violating our rights so that we can enter into this commitment as a way to ensure our protection and the demarcations of our territories, but also help us recover our traditions and culture that were lost by the discrimination and prejudice that our people suffered and still suffers here in Brazil. We want to aggregate the values of this land and strengthen the life together with all the Nations of the world.
Thanks a lot everyone’s attention and all authorities who receive and read this letter.
Best regards
People and organizations in the Brazilian Amazon.
Letter written by Haru Kuntanawa and Ysani Kalapalo.

~~~

 

Carta a cara e a voz da Amazônia, unidos pela vida de nossos povos e do planeta terra

Aos lideres Religiosos e chefes de estados
Senhoras e Senhores autoridades destes países, escrevemos esta carta para pedir vossos apoios e compreensão pelos fatos reais que estão ocorrendo em nosso pais, mas antes de qualquer interpretação queremos que nos olhem como seres humanos filhos de Deus e da nossa mãe… terra por isso somos religiosos, também porem nossas religiões não são escritas em papeis e sim na floresta, terra, vento, sol, lua, estrelas, rios e mares, elementos que representam a força e o poder de Deus o criador que é interpretado por vários nomes conforme cada idioma.
Nosso Governo é formado pela natureza e regido pela força das estações dos ciclos astrais, respeitamos todos os governos da terra na sua forma de atuação com suas nações, como também respeitamos todas as culturas e religiões, e por este motivo gostaríamos também que respeitassem nossa forma de vida. A floresta amazônica em si é auto-suficiente, com a maior potencia de sustentabilidade do planeta, aqui as sementes nascem e crescem em liberdade se tornando lares e alimentos para nos e os animais que aqui vivem.
Queremos, portanto, lembrar os anos de 1500 quando os primeiros colonizadores portugueses chegaram ao Brasil e os europeus vieram para a America do sul e America latina e nos encontraram já vivendo a milhares de anos nestes territórios, na Amazônia, e em outros biomas.
Sabemos as responsabilidades da coroa imperial espanhola e portuguesa que criaram uma lei especifica para dar o direito de nos destruir e essa ação também teve a aprovação da igreja católica. Naquela época, da colonização, era para falar do nome de cristo e de Deus. Naquele século morreu muita gente, o que é até perdoável, pois não compreendíamos a língua de vocês, não falávamos espanhol e nem tão pouco o português, mas hoje não perdoaremos mais a repetição desses atos atrozes e violentos que dizimam nosso povo. Queremos saber por que isso ainda está acontecendo e qual é a explicação que vocês tem a nos dar…
Portanto pedimos a todos os lideres mundiais e governantes, ao Papa Francisco, líder da igreja católica que nos ajudem a resolver este problema, que esta acontecendo no Brasil. Sofremos maltratos. O governo brasileiro ignora a nossa presença e os direitos constituídos dos povos indígenas. Fazem de conta que não existimos. Somos lembrados apenas no dia 19 de abril, data em que eles comemoram talvez a destruição de nossas vidas. Somos lembrados também, quando querem promover seus interesses particulares, nos pedindo para dançar nos eventos festivos. Depois disso somos esquecidos, e o governo passa a nos tratar como um problema, como dados estatísticos, obstáculos para o chamado desenvolvimento socioeconômico.
De acordo com o relatório do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) sobre a violência que atinge os povos indígenas, somente entre 2003 e 2011 foram assassinados 503 índios, dos quais 273 são do povo Guarani Kaiowá.
E no dia 30/05/2013, um parente Oziel Terena, morreu devido a disputa e defesa das terras em Mato Grosso do sul; no dia 04/06/2013 mais outro Terena foi baleado pelo mesmo motivo e continua internado. Vale lembrar também a morte de mais um guerreiro: Adenilson Munduruku que foi morto por policiais, numa ação criminosa, quando estava defendo sua terra.
E os direitos territoriais indígenas que existe na Constituição Brasileira, não estão sendo respeitados, cada vez mais fazendeiros e usurpadores querem tomar posse de nossas terras e os governantes não tomam providencia imediata em relação a isso. Na maioria das vezes as decisões são voltadas para favorecer os ruralistas, raramente alguma decisão governamental favorece os indígenas. Vale destacar a intensa atuação da senadora brasileira Kátia Abreu, fiel defensora dos interesses dos ruralistas, que nos trata como invasores de terra. E no Pará, conflitos entre indígenas e policiais estão se intensificando por causa da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, estão mandando tropas para impedir ocupação do local por índios e apoiadores; e já está mais do que comprovado que a Usina prejudicará populações ribeirinhas, indígenas e o meio ambiente.
Uma situação que também é delicada é a da região norte com a barragem do Rio Madeira Girau a qual irá alagar uma enorme área de floresta; justamente onde foi comprovada a existência de grupos indígenas não contactados pela civilização socialista e capitalista. Outro grande problema que apontamos é o das fronteiras do Estado do Acre, no Brasil, que se estende até o Peru e a Bolívia Com os projetos madeireiro, exploração de petróleo e gás natural que esta prestes a ser leiloados e a ferrovia que vai ligar o Peru ao Brasil (trecho de Cruzeiro do Sul no Acre a Pucallpa no Peru) sangrando a nossa floresta, comunidades indígenas e extrativistas que vivem ali entre os grupos de índios também não contactados.
Suplicamos ajuda de outros países porque aqui no Brasil, não temos atenção do Governo Brasileiro, somos considerados estrangeiros no nosso próprio país. E estão aprovando leis que condenam e invalidam os nossos direitos. Já somos poucos, levamos a vida precariamente e ainda querem nos tirar o direito a vida e a terra…
Também, estamos sendo prejudicados com as reformas para a copa do mundo de 2014, eles invadiram e nos obrigaram a sair de forma truculenta de nossa aldeia Maracanã, onde se construiu o primeiro museu do índio da America Latina, que existe há mais de 70 anos. Um lugar que guarda a memória do nosso povo, e tem valor cultural muito sagrado. Nos tiraram de lá para transformar o espaço do Museu em estacionamento para copa do mundo de 2014 e nenhuma autoridade quer devolver para nós!
Senhores e senhoras, autoridades estrangeiras, vosso apoio é a nossa única esperança de encontrarmos possibilidades de resolver esta situação em paz, não queremos apenas existir em livros, queremos viver em harmonia com os dias de hoje, sem perseguições territoriais, viver em paz é tudo que queremos, nos deixem viver nas nossas florestas com nossos rios livres sem barragens para que continuemos tirando nossos sustentos, deixem nossas florestas em pé, elas são os números de nossas identidades, deixe-nos também termos a oportunidade de ver nossos filhos crescerem. A flora e a fauna é a nossa única maneira de viver, não queremos comprar água engarrafadas para beber, até porque não criamos moedas de valor, queremos beber águas de fontes limpas e puras. Foi assim que aprendemos com a educação que nossos ancestrais nos deram a milhares de anos atrás.
Queremos ainda dizer que os nossos valores e saberes ancestrais a sociedade não conhece e os valores da floresta que vocês chamam de mata são fundamentais para o equilíbrio da humanidade. A floresta é a vida! Por fim pedimos que seja feito um tratado Internacional entre os chefes de estados, presidentes, reis e rainhas, com o Papa Francisco e nós lideres Indígenas indicados pelas nossas nações para que haja a paz nesta terra e a proteção de nossos povos. Não desenvolvemos armas para tirar vida, nossas armas são utilizadas apenas para tirar nosso sustento da caça e pesca para alimentar nossas famílias, sabemos que não dá para defender nossos direitos com arco e flechas e sim com o cumprimento das leis e dos acordos internacionais nos quais o Brasil é signatário.
Temos muito a contribuir com vocês para melhorar o sistema de vida da humanidade e de toda diversidade biológica do planeta, a Conservação e proteção das florestas. Os governos têm que entender que estamos no pulmão do mundo. Pedimos que vocês apóiem nossa causa para que as florestas sejam protegidas. Temos muita preocupação com o rumo que a humanidade está tomando. Não podemos mais ficar em silencio. Temos que fazer algo para que todos possamos viver em paz. Esse mundo é um só. Somos um mesmo povo. E o Criador observa isso…irmão atacando outro irmão; isso não pode continuar.
Clamamos pela paz na terra e queremos ser respeitados do jeito que somos; continuar vivendo da maneira mais simples que aprendemos e assim garantir as floresta vivas, os rios correntes, a terra fértil e protegida pelos direitos humanos e ambientais.
Encerramos esta carta pedindo que todos os lideres assinem essa Carta de Apoio aos Povos Indígenas nos apoiando e convoquem uma audiência com a presidente brasileira Dilma Roussef e demais órgãos que estão violando nossos direitos para que possamos firmar este compromisso como forma de garantir nossa proteção e as demarcações de nossos territórios, como também nos ajudar a recuperar nossas tradições e cultura que foram perdidas pela discriminação e preconceito que nosso povo sofreu e ainda sofre aqui no Brasil. Queremos agregar os valores desta terra e fortalecer a vida em conjunto com todas as nações do mundo.
Agradecemos muito a atenção de todos e de todas as autoridades que receberem e lerem esta carta.
Atenciosamente, Povos e Organizações da Amazônia Brasileira. Carta escrita por Haru Kuntanawa e Ysani Kalapalo.

 

%d bloggers like this: